Processo Criativo 3: Meios para Análise Pessoal

0 Flares 0 Flares ×

Os meios existentes para realizar a análise pessoal são:

  • Pastas de inspiração

As famosas pastas de inspiração são muito usadas para futuras criações e projetos na área de Design e Ilustração. Porém,  pensemos aqui que a “criação” que focaremos neste caso é o artista em si. Então, o artista será o nosso “transformado”. E para se transformar, recriar ou criar identidades, precisamos analisar.

Mas analisar o quê?

Analisar tudo de uma forma muito individual. Para isso, a plataforma Pinterest nos ajuda bastante criando pastas individuais com todas nossas referências pessoais.

  1. O que você gosta? Formas, cores, texturas, técnicas, materiais, composições etc…
  2. Quem você admira? Fazer um compilado com todos os trabalhos da pessoa.

Meus painéis são um ótimo exemplo de tudo isso que estou falando: olhem aqui para ter uma noção.

pinterest ana blue

Esse tipo de plataforma, por ser digital ajuda muito na organização e na praticidade. Por outro lado, há também os Sketchbooks.

  • Sketchbooks

Ter um sketchbook não significa ter um “caderno bonito e organizado para desfilar por ai e ostentar desenhos bonitos”. A questão nunca foi essa.

Uma de minhas fotos tiradas no evento do Pupunha Ink.
Uma de minhas fotos tiradas no evento do Pupunha Ink.

Para quem não sabe, Sketchbook são como diários pessoais dos artistas, porém, muitos deles são mais imagéticos, ou seja, contém mais imagens, referências de cores ou texturas do que escrita. Pssssiu! 😀 Seria quase um Tumblr só de imagem que possa te transmitir conceitos e sensações. ♥  Isso varia muito de artista para outro (se for um tipógrafo ou calígrafo, por exemplo, terão mais letras, frases e vários estudos da área – eu tenho mini sketchbooks só de caligrafia por exemplo, além dos mais de 10 que já tenho só de aquarela 😉 ) de acordo com a poética e os projetos de cada um que abordarei mais para frente. 😉 Eu fiz um post sobre Sketchbook faz um tempo (eu adoro esse post ♥) e talvez possa ser mais esclarecedor para vocês!

Foto tirada do sketchbook de no evento Pupunha Ink.
Foto tirada por mim do sketchbook da @lineletters no evento Pupunha Ink. ♥

Enfim: a ideia do sketchbook é você permitir se soltar, testar e experimentar sem ter medo de estar errado ou não. É permitir se conhecer e se entrosar com a técnica escolhida: só assim para saber se você terá uma sintonia e irá gostar do que está usando. Assim que você se conhece também. 🙂 Não importa se está “feio” ou “bonito”, isso é muito relativo. Até para quem conhece o famoso “Destrua Esse Diário” é uma ótima ferramenta que pode auxiliar a se soltar e experimentar objetos, texturas e outros materiais alternativos para poder se reinventar e criar. Só testando e se questionando é que podemos inovar, certo?

O mesmo que você fez lá no Pinterest, você pode fazer no Sketchbook. Porque, a forma que temos para assimilar tudo ao nosso redor, são de maneiras lentas e de forma figurativa/não-verbal/subliminar/bem conceitual. O gestual não assimila o que você vê diretamente no olhar. Por isso é importante sempre treinar o desenho de observação. 🙂 Já reparou que muitas vezes o que você vê não é o que você desenha (no começo da nossa vida artística)? Depois que se adquire prática, conhecimento em anatomia e outras técnicas que vamos conseguindo desenvolver melhor. Sempre lembrando que é treino diário de tudo isso que estou falando. 😉

Por exemplo: Eu, Ana Blue, tenho MUITA dificuldade em desenhar ideias que tenho em mente (sim, até hoje com 20 e poucos nas costas). Para isso, eu preciso reproduzi-las na fotografia para depois desenhar. Porque eu, assimilo melhor assim. Eu enxergo de uma forma mais realista/objetiva para depois passar para o desenho. E isso também tem muito a ver com a forma que eu comecei a desenhar desde criança: eu comecei a copiar referências de fotos, imagens já prontas. Aos poucos, nos estudos e releituras, eu fui entendendo o por quê do rosto ser 3/4 e assim por diante, até eu mesma ir encontrando os próximos passos e referências para seguir e criar o meu estilo, o que falarei mais lá pra frente. 😉

  • Livros interessantes sobre o tema Processo Criativo:

Alguns livros que usei para a minha pesquisa de TCC e outros que vi durante a vida são:

livro tcc

  1. A Página Violada – Da Ternura À Injúria na Construção do Livro de Artista – 2ª Ed. – Paulo Silveira – UFRGS
  2. Sketchbooks – As Páginas Desconhecidas do Processo Criativo – Cezar De Almeida & Roger Basseto (esse cara -Roger – é foda!) – Espaço Pop
  3. Gesto Inacabado – Processo de Criação Artística – Cecília Almeida Salles – Intermeios
  4. Roube Como Um Artista – 10 Dicas sobre Criatividade – Austin Kleon – Ed. Rocco

Em breve conto direitinho sobre a proposta do Destrua Esse Diário e o Roube Como Um Artista na visão de nós, artistas, sem pensar ao pé da letra ou muito quadradinho! 😉

Logotipo Definido - Escolhido

Deixe uma resposta

CommentLuv badge