Ilustração e Processo Criativo: Referências, Cópias e Inspiração

0 Flares 0 Flares ×

Oi gente!

Depois de um bom tempo que queria falar desse assunto que eu adoro, andei pesquisando bastante, lendo livros e mais livros sobre o assunto; (além de que, agora estou fazendo curso intensivo de processo criativo com a Catarina Gushiken, como presente de aniversário ♥ ~ colocando em prática tudo que já li na teoria) venho tendo maior contato e tendo explicações mais bem fundamentadas, posso tocar nesse tipo de assunto. Algo que queria compartilhar o que estou aprendendo 🙂 Além de que, já fiz um vídeo/post falando sobre inspiração e como organizar as ideias (clique aqui) e como é o processo criativo com mix de ideias (clique aqui).

Muita gente, que começa nesse ramo tem muitas dúvidas sobre o que seria ter referências: se basear nelas para encontrar seu traço/entender proporção e como você enxerga isso no desenho; o que seria o famoso “me inspirei” e o “copiei“.

__

1) Quando se está começando a desenhar, o essencial é ter referências.

  • Referência (arte) – indivíduo ou patrimônio artístico de destacado valor para a sociedade.

Quem são seus ilustradores preferidos? Porque você gosta da ilustração dele? Porque algo na composição, no traço, nas cores ou até a ideia que ele passa te inspira/te atrai. A partir disso, você vai tendo em mente qual é o seu ‘estilo de ilustração’. Não pense que selecionando todos os ilustradores que você mais admira vai nascer o seu traço de uma noite para o dia. Calma! Isso leva tempo, dedicação e treino. Muito treino! E não pense você também que não precisa de referências para querer criar sua arte: Ela não virá do além.

Vou dar alguns exemplos de ilustradores que mais mexem comigo. Bom, pra quem já acompanhava meu blog, sabia que toda segunda-feira eu postava novos Ilustradores que eu descobria pelos livros da faculdade. Eu postava por aqui porque era um motivo para eu continuar essa procura pelos ilustradores que me atraiam. Sem postar no blog, eu deixava de lado e desistia de pesquisar, deixando como se fosse uma ‘lição de casa’, e sem motivação, não tem como fazer, certo? Por isso criei essa categoria aqui no blog (Ilustrações). Agora, que já tenho minhas referências eu parei de postar por aqui (além da capacidade do blog que tava acabando né..) e os sigo tudo no instagram (porque eu sou uma viciada em instagram, meus feeds são totalmente artísticos) que acabo até usando como um ~portfólio~ por ser mais parte literalmente do meu dia a dia. Enfim, selecionei aqui alguns dos meus ilustradores favoritos:

 

Então, eu pesquisei ilustradoras que trabalham com esse tipo de técnica: eu criava QUALQUER coisa e colocava um respingo no meio pra ver como fica, testar composição e assim vai. Dai, a partir disso que eu ia me encontrando: sabendo o que eu gostava e o que eu não gostava. BOOOA PARTE tem traço leve, respingos de tinta, aquarela, figura feminina, delicadeza e intensidade.

-> É deste modo que você identifica qual é a tendência do seu estilo. Claro que você não precisa gostar exatamente dos que eu falei, cada um gosta de artes diferentes.. E esses são alguns dos 943948 que eu gosto. 🙂 ~ Onde pegar referências? além de post de blogs, tem Behance, Flickr, Deviantart. 🙂

Ótimo. Proóóóóximo assunto:

2) Cópia/ Plágio:

s.f. Reprodução manual ou automática de um texto, documento etc.
Imitação exata de uma obra de arte: cópia de um quadro.
Imitação desonesta de uma obra; plágio: este livro é uma cópia daquele outro.

No começo que a gente está ~treinando~, o ideal é começar copiando fotos/corpos pra treinar o olhar, lembrando que, isso serve para entender COMO a gente enxerga e COMO que passa na prática. A partir disso, você vai tendo uma noção de como é fazer tal coisa e vai encontrando o seu traço (com muitos desenhos, muuitos treinos). Até seria o mesmo que você mesma se fotografasse numa pose X pra ter a base de proporção, partindo deste ponto, faria desenho de observação com a técnica de proporção. Eu fiz isso em um freela meu, clique aqui.

Já sabendo disso, na hora de ~CRIAR~ é que não pode simplesmente pegar algo que já existe, uma obra no caso: pegar detalhes SÓ daquilo, retirar alguns detalhes, incluir outros dizer que VOCÊ fez, dizer “me inspirei”. Isso é Cópia/Plágio. Lembra na época da escola, que a gente procurava algo na internet: entrava no sr. Wikipédia. Deus e o mundo copiava com os Ctrl da vida, passava tudo pro seu trabalho. Arrumava algumas coisas, retirava e acrescentava e no final, dizia que você fez aquilo. É assim que a coisa funciona também pra arte! ~ Mas, se você pegar VÁRIAS referências de artistas diferentes: estilo de traço, a técnica que ele usou, a ideia e desfragmentar tudo aquilo, assim, é só você pensar diferente da maneira dele, misturando várias referências (incluindo seus gostos pessoais, já que a arte tem que ser alguma essência sua): será um estudo que você fez, ou seja, nesse caso isso não é cópia, mas sim estudo.

Lembre-se: criar próprio estilo é questão de treino! Olhar muitas referências, desenhar toda hora treinando, estudando e assim vai. Questão de traço, estilo próprio não vem do nada. É uma vida até encontrar. Tem gente que acha com facilidade, outras não hehe (eu xD, meus amigos dizem que eu já tenho um traço, mas eu ainda não enxergo)…

E outra: sabe o que é bom também? Ler. Por mais que seja só teoria você entende mais ou menos como é, dai ajuda a você a assimilar, pra depois tentar fazer. E quando vai pra prática, automaticamente lembra da teoria. Tente ler algo sobre Processo Criativo, Bloqueio Criativo e tal: é gostoso e ajuda bastante. Livros de arte, design assim é sempre bom ^^ Um livro que gosto e recomendo: A Guerra da Arte – do Steven Pressfield. Pode me pedir por e-mail que envio, porque esse livro não existe + no fornecedor, em Sebos está em torno de R$130,00.. Meu e-mail: clique aqui. Além dos outros 2 livros que mencionei no vídeo acima!

3) Inspiração:

Estado da alma quando influenciada por uma potência sobrenatural: inspiração divina.
A força inspiradora; o estro: poeta de grande inspiração.
Coisa inspirada.
Coisa ou pessoa, que inspira.
Aquilo que numa composição artística revela grande talento ou gênio.

Lampejo > Fig. Manifestação repentina de uma idéia genial.

Sobre inspiração, é tipo a ideia que você quer passar.

Por exemplo: Brasil. Você vai fazer uma coleção INSPIRADA no Brasil. Você vai pensar: o que me lembra Brasil? Qual é a ideia que é passada por ele? Resposta: cores vibrantes, alegria, formas abertas e mais arredondadas (porque formas retas demonstram frieza), cores claras, carnaval… E assim vai.

É dai que as pessoas confundem “estou inspirada” ou, voltando pra Moda que todo santo blog tem: “vou me inspirar no look da fulana”. O que acontece? A menina COPIA o look. Tem que pensar NO QUE A FULANA SE INSPIROU, qual a ideia que a menina quer passar com o look. Não é copiar a composição. Criar uma composição, o jeito que ela fará, vai ser uma consequência. E assim por diante.

Bom! A ideia central do post era essa e espero que vocês tenham entendido tudo certinho. Tem um podcast que fala sobre isso, para ouvir, clique aqui. Caso restou alguma dúvida, PÓ MANDÁ! 😀

 

~Sobre processo criativo, tem um vídeo fascinante aqui.

Ana Blue

3 Comment

  1. […] o que gosta. Caso você esteja copiando a arte de algum artista famoso e que você não venda essa releitura/cópia ou divulgue por ai, você deve creditar o autor da obra original, porque isso seria o famoso e […]

  2. Adorei, seu blog é muito lindo! Eu amei esse post, inclusive porque também faço design e estou começando agora com meus sketchbooks *–*

    1. Obrigada! <3
      Eba, quero ver os seus por aqui no meio da bagunça também 🙂
      Ana Lu

Deixe uma resposta

CommentLuv badge