Ana Blue: pseudônimo, logotipo e… aquarela

0 Flares 0 Flares ×

Olá pessoal 🙂

Depois de criar meu logotipo (“desenho de letra” e junto, às vezes vem um ícone) aproveitei o tema para contar tudo para vocês: porque esse nome “Ana Blue”, como surgiu, porque azul, porque seu logotipo é assim, etc etc. Eu já contei de forma bem resumida no snap (@anablu_e) só pra deixar aquela vontade mesmo.. Hihi

Agora com o meu logo desenhado fica muito mais legal para poder entender as coisas…

pseudônimo, logotipo e..

Beleza, vamos lá:

  • Como surgiu o nome?

Para o pessoal que me acompanha, eu desenho deeeeesde criança. Resolvi fazer faculdade de moda porque gosto de desenhar. Até ai tudo bem. Quando estava prestes a finalizar a faculdade e entrar no temível TCC, resolvi fazer um curso intensivo nas férias de 2014 sobre Processo Criativo e Ilustração com a Catarina Gushiken (artista e designer de moda) no Sala Ilustrada (clique aqui ó) para me ajudar a entender toda minha arte e o que eu poderia usar disso pro meu TCC (acabou que o meu tema em si foi sobre Processo de Criação, ainda por cima, o meu próprio em que criei minhas estampas autorais – aqui e aqui – e que ainda assim, nessa época não assinava como Ana Blue).

Durante este curso, quando vi um pouco sobre a técnica de aquarela com a Catarina (e só lá pra frente aprendi melhor com a Sabrina Eras), ela incentivava a busca de referências, estudos com essas referências e a busca constante do seu traço. E sempre quando estou aquarelando, não tem como, eu pareço uma criança me melando com tudo! Sério. Sim. Eu estava toda suja de aquarela, mais precisamente com verde, roxo e azul. Porém, o azul estava no nariz e escorrendo. Eu nem sabia nada disso, nem reparei… A Catarina reparou e começou a rir (e eu O.o??) e ela me chamou de Ana Blue. ♥

21

Pessoal se divertiu, deu risada e o nome pegou com os amigos do curso. Só que eu, demorei um tempo para aceitar este novo pseudônimo (além de introduzir até nas redes sociais e trabalhos). Até quando 4 ilustrações minhas foram publicadas na Cat Magazine, ainda estava assinando como “Ana Lu”.

  • Logotipo, para que serve, o que é?

Do senhor grego… “Logos” significado, desenho. “Typos” figura, letra 😉 Seria então “Desenho de letra” e serve para designar sua marca. É o resultado do perfil todo, você vai expressar a essência da sua marca por trás do desenho da letra. É a marca que o pessoal vai lembrar de você. Para entender mais, leia aqui e aqui ó.

  • Como você entrou nesse mundo de logotipo?

O engraçado está aí: curiosidade infinita. Desde criança sempre fui muito curiosa. Durante minha graduação de Design de Moda, eu fazia A festa na biblioteca da faculdade… *-* Na metade do curso, comecei a ter uma curiosidade imensa para o lado gráfico, e o setor de Design Gráfico na biblioteca da faculdade era do lado de Moda. Antes de ir para o papo-cabeça com o logotipo, eu comecei a buscar referências de ilustradores… Daí comecei a ter a curiosidade em processo criativo para logos: o passo a passo, os famosos ‘por quês’ das marcas (porque a linha é assim, porque essa cor foi escolhida, etc) e as imagens escondidas dentro dos logos que você deixa de reparar (Gestalt meu amô!)… Então, eu comecei a reparar que eu sou fascinada pelo ‘passo a passo e a poética das coisas’, ou seja: PROCESSO CRIATIVO (só que nessa época eu nem reparei isso, e muito menos que isso seria meu tema de TCC – Dãr pra mim). E como já andei falando aqui, este tema é 2 em 1: o lado poético da coisa anda sempre acompanhado do passo à passo.

E lá para o TCC, tive que criar um logotipo para o meu “estúdio de estamparia” fictício onde estudei muito disso, tive auxílio mais técnico dos professores.. Assim, ampliei mais um pouquinho minha visão para essa área. Ah claro, e isso aumentou mais ainda minha vontade de estudar Identidade Visual para Marcas… ♥

  • Como você entrou no mundo da caligrafia?

Lá no curso da Catarina Gushiken, quando criava minhas colagens para meus estudos com composição para meus desenhos, em algumas delas fiz o uso de frases que me inspiram dentro da própria arte. Como nessas 2 artes que foram publicadas na Cat Magazine:

E eu não sentia que minha arte estava completa. Eu achava que a minha letra ali no meio estragava a arte em si porque não tinha um estudo completo e dedicado somente para aquilo. A partir dessa época (2014) vi que eu precisava de um curso de caligrafia, não para melhorar minha letra (que sempre foi muito legível), mas para usar de minha escrita de um jeito mais elaborado e bonito de se ver dentro de uma arte. Até pensei em usufruir da caligrafia para o meu TCC, mas com o tempo ele evoluiu para outro tipo de linguagem e descartei essa possibilidade. Enfim, mesmo assim fui atrás do curso no início de 2015 com a Andrea Branco. Uma calígrafa brasileira que entende muito do assunto! ♥ Mandei e-mail para ela, porém eu precisaria ficar na fila de espera, e na época eu não tive mais tempo disponível. Resumindo: desisti do curso.

Só que, mais pra frente, a Andrea Branco apareceu com esse mesmo curso, separado em Partes para aulas onlines e gratuitas no Eduk.com.br… Por sorte, era o tipo de caligrafia que eu queria aprender: a Copperplate, é a caligrafia mais fina, leve e rebuscada que existe. E era o tipo de caligrafia que conversava melhor com a minha arte.

12227084_749911111780148_1559019023921960236_n

Os outros tipos são quadradas, ou seja, a caligrafia gótica, medieval, etc. Antes desse curso, eu já assistia alguns vídeos (porque né, não me aguentei, a curiosidade foi maior) sobre caligrafia e via que as penas que eu usava para meus desenhos serviriam para estudar o tipo de caligrafia que queria. ♥ Ok, em dois dias eu peguei mais ou menos o jeito e entendi como a caligrafia funcionava. Passei um booom tempo estudando por conta própria (com pincel, pena, lápis, etc), até que finalmente, agora em Novembro eu pude comprar um livro que trata especificamente sobre caligrafia (que foi revisado por quem? a própria Andrea! ♥)

Comprei na Livraria Cultura, paguei R$ 62,10. Há este livro também no Estante Virtual (sebo), boa parte dos livros lá são novos... E estavam praticamente o mesmo preço. ;)
Comprei na Livraria Cultura, paguei R$ 62,10.
Há este livro também no Estante Virtual (sebo), boa parte dos livros lá são novos… E estavam praticamente o mesmo preço. 😉

Aquele Projeto Citarela que tenho no instagram (falo dele na aba Projetos Criativos aqui do blog), eu criei exatamente para me ajudar a motivar com o estudo de caligrafia.

 

  • Como foi o processo para a criação do seu logotipo?

Antes mesmo de comprar o livro do David eu já estava treinando e esboçando algumas caligrafias: desde o pincel fino até o mais grosso para poder encontrar um que me agradasse.

11

Estava me baseando na minha assinatura. Desde minha adolescência a letra “A” maiúscula sempre teve uma perninha. E essa referência veio de um professor de inglês da época da escola que tinha uma letra divina *-*, (e sempre tive a certeza que ele tinha feito curso para caligrafia, porque eram perfeitamente lindas!) ♥

Ok, com meus estudos, brincar com os ornamentos dentro da arte de caligrafia se tornou mais legal ainda para soltar mais o traço, o braço e a mão. Até o “B” maiúsculo apareceu com uma perninha no decorrer dos estudos. Ele eu descobri quando fiz o meu primeiro Speed Painting que gravei para o canal do blog.

No final das contas, eu misturei o ‘A’, com um ‘na’, o ‘B’ e o ‘lue’ de vários estudos diferentes. Depois de selecionados, limpos e configurados dentro do jeito que queria eu os vetorizei para ficar mais lindo e fácil de fazer a manipulação. Ok, vetorizar não é tão rápido assim…. O “Ana” e o “Blue” eu levei aproximadamente 2h30 vetorizando, arrumando o ângulo, etc etc. É complexo e exige muita paciência.

  • Como/Por Quê/Qual é a poética?

Dentro da caligrafia Copperplate (pós renascentista): eu enxergo a leveza, a sofisticação e um “quê” de estética. Ela me lembra muito um lema que levo para minha vida: “Deixe Fluir”, ou melhor, “Let it Flow”. Ao mesmo tempo que há o traço finíssimo, há também um traço mais grosso. Eu interpreto isso como os “lados da vida”, o lado bom e ruim, os altos e baixos. Eu vivo isso diariamente. A minha arte se expressa por causa disso e o Let it Flow está sempre presente para me lembrar de ligar o equilíbrio para a vida, aprender a relevar.

No logotipo…

Há algumas letras mais grossas e mais finas do que o normal, não há um equilíbrio: é proposital ser assim porque dentro da minha arte, meu emocional que é sempre expressado nela tem sempre uma intensidade: ou é muita dor ou é muita alegria. Considero isso como um looping eterno, sempre tem os dois extremos.

Não há uma única linha para o nome. Uma letra tá subindo, outra tá descendo… Outra referência para meu emocional: tem vezes que eu fico loucamente inspirada, que subo igual um balão; outras vezes sou tão pé no chão que fico realista e pessimista demais. É algo muito confuso e muito atrapalhado: Olá! Eu sou uma pessoa muito atrapalhada. ;D Além de que, esta caligrafia pode ser levemente alterada de uma forma mais descontraída e menos formal como a original (minhas referências abaixo). Ser atrapalhada também é uma qualidade legal, criativa e engraçada.

Há os ornamentos: as famosas perninhas que falei lá em cima. Além de fazer parte da minha assinatura original, tem a ver com a leveza que a inspiração traz para mim.

E claro… o Blue: Além do nome, o senhor respingo azul ao fundo tinha que ter! É o ícone que geralmente acompanha o logotipo. Portanto, neste caso, o Blue tem 3 significados (poéticos) aqui.

aha

  1. A origem do pseudônimo (no meu nariz) que contei lá em cima;
  2. Representar a cor dentro da técnica que mais uso: aquarela;
  3. A aquarela em si, se tornou minha marca dentro do meu processo de criação. Porque? A aquarela é uma técnica sutil, feminina, sensível e dramática. Só se torna dramática com o uso dos respingos. Durante minha vida aquarelística usei MUITO dos respingos. Até fiz um post só para eles ensinando como fazê-los, porque há uma ‘técnica’ para acertar esses diversos tipos. E, se você encontrar alguma arte de Ana Blue com respingo: pode ter certeza que é para transmitir a dor, a dramaticidade, alguma tristeza que vivi.

Essa descoberta sobre o que a aquarela representa para mim eu fiz pelo meu TCC. Vou encontrar um jeito de disponibilizar meu artigo de TCC para vocês lerem. Quando conseguir, eu atualizo aqui! 😉

Espero que tenham gostado, que tenham esclarecido as dúvidas e curiosidades! ♥

Qualquer coisa, deixem nos comentários que eu respondo! ;D

Instagram | Flickr | Tumblr | Pinterest | Facebook Blog | Facebook Arte | Snap: @anablu_e

Ana Blue ?

2 Comment

  1. Muito interessante! Vou começar a estudar design gráfico esse ano, também quero aprender ilustração e design de moda. Quero aprender essas coisinhas de letra que você faz e descobrir o meu traço. Beijos :*

    1. é legal, porque cada uma tem uma perninha puxando uma inspiração ou referência.
      Você vai gostar :3

Deixe uma resposta

CommentLuv badge